O Culminar da nossa Devoção e Paixão

Vinho único
no mundo

Dádiva dos Deuses

Da pedra se fez vinho

Dádiva
dos Deuses

Czares ao longo dos anos.

Proveniente de uvas colhidas à mão entre fendas da rocha e currais labirínticos de pedra, o Czar atinge naturalmente mais de 18% de volume de álcool adquirido.

Isto deve-se às características peculiares das uvas, ao tipo de solo vulcânico, às leveduras indígenas e à desfolha realizada alguns dias antes da vindima tardia, ajudando na sobrematuração das uvas.

Produzido nas vinhas centenárias do Lajido da Criação Velha, Património Mundial da Unesco, trata-se de um vinho totalmente natural, sem adição de qualquer tipo de álcool, açúcar ou leveduras.

Foi em 2009 que o Czar despertou maior curiosidade estando, no caminho certo para que um vinho de uma pequena ilha, de um pequeno arquipélago no meio do Atlântico, pudesse vir-se a tornar um ícone no mundo dos vinhos.

Uma barrica desta colheita, levou 12 meses em fermentação, atingindo 20,1% Vol. naturalmente, único caso conhecido no mundo. Este feito levou a que se engarrafassem 75 garrafas num modelo premium, em Cristal Vista Alegre, com gravação da marca e designações obrigatórias em ouro de 20.6 quilates.
“Livro da carga que leva o Bergantim Nª Srª do Livramento, Santo António e Almas em 20 de Dezembro de 1780 para a Ilha de Sto. Eustáquio”, Universidade dos Açores, Biblioteca, Arquivo e Museu, Arquivo Brum da Silveira-José do Canto.

Viagem pelos Quatro Cantos do Mundo

Do Atlântico
para o Mundo

A produção vitivinícola picoense remonta a quase 600 anos de história, num solo vítima da atividade lávica da montanha do Pico, revelando-se um solo impróprio para cultivo, mas óptimo para a vinha. Por ser tão específico e característico, este néctar de uma ilha no meio do Atlântico, ficou afamado e viajou pelos quatro cantos do mundo, chegando às mesas mais importantes da Europa e Além Mar.

Existem várias menções ao vinho “passado” do Pico ter sido servido à mesa de Papas, Imperadores e Czares, cobiçado pelos homens mais ricos do mundo.

Fortunato Garcia

História da Família Garcia

O Legado

O facto da produção ser pequena e de qualidade imprevista, que nem sempre atinge o nível para se tornar Czar, nunca constituiu motivo para desistir ou alterar o processo, mas sim tornou-se um incentivo à melhoria. Se numa fase inicial, logo após um ano de vindima, o vinho está pronto para ser consumido, ao passar por três anos de envelhecimento, existe uma melhoria substancial na sua qualidade e, hoje, só é engarrafado ao fim de oito anos de colheita, no auge do seu envelhecimento, afirmando assim a sua excelência de qualidade, e tornando-se um vinho de renome mundial.

A vindima que origina o Czar é diferente de todas as outras no Pico. Atrasada o máximo possível, para colherem as uvas “passadas”, é uma tradição que permite que elas ganhem os açúcares necessários para atingir as graduações elevadas.

Cada cacho é passado pela vistoria de Fortunato, para perceber se estes têm qualidade para produzir Czar, seguindo para a prensa tradicional, o fermentar e estagiar em barricas velhas, até atingir os oito anos.
Inspeção do teor alcoólico da uva
As barricas têm capacidade de 225 litros e, passado os oito anos de estágio, somente 150 litros ficam no final. O resto do vinho é a parte dos anjos.
Garrafas Disponíveis
Brevemente

"Single Harvest Reserve"

Licoroso Seco

2013

2013

Licoroso Seco

2013

Álcool

19%

Sulfitos

30.7 g/l

Tipo de Vinho

Licoroso Seco

Recomendações

Apreciar ligeiramente fresco, 12 a 14° C, com um livro

Classificação

DOP “Pico”.

Tamanho

Garrafa 0.75l

Deve ter idade legal para entrar neste site. Ao clicar em entrar, está a confirmar que tem a idade legal para consumir bebidas alcoólicas no seu país.